A função regulatória da licitação no Brasil: estado da arte e perspectivas de futuro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21056/aec.v23i91.1483

Palavras-chave:

licitação, função regulatória, política pública, interesse coletivo, cooperação.

Resumo

A função regulatória da licitação é conceitualmente entendida como a utilização do procedimento de compras públicas para induzir comportamentos socialmente desejáveis nos setores público e privado, a bem do interesse coletivo. No Brasil, seu fundamento normativo está na Constituição Federal de 1988, nas disposições específicas sobre os objetivos fundamentais da República, os princípios da ordem econômica, o papel regulador do Estado e a licitação como procedimento obrigatório para as compras públicas, sendo certo que seu fundamento pragmático está na vocação do processo licitatório para unir esforços estatais e particulares na implementação de demandas de interesse coletivo. A legislação sobre licitações possui diversos exemplos concretos de aplicação prática da função regulatória. E a perspectiva de futuro é animadora, considerando que a proposta de nova lei geral de licitações e contratos consolida os passos dados nessa direção, bem como traz novidades relevantes no assunto.

    

Biografia do Autor

  • Valter Shuenquener de Araujo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

    Professor Adjunto de Direito Administrativo da Faculdade de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro-RJ, Brasil). Doutor em Direito Público pela UERJ. Doutorado-Sanduíche pela Ruprecht-Karls Universität de Heidelberg. Conselheiro do CNMP. Juiz Federal. Juiz Auxiliar e Instrutor no STF no período de 2011-2014. Juiz Auxiliar no TSE em 2015. Ex-Procurador do Estado do Rio de Janeiro. Ex-Procurador Federal. Ex-Advogado da PETROBRAS. E-mail: vsaraujo19@gmail.com.

        
  • Mauro César Teixeira de Farias Filho, Fundação Escola Superior do Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios (Brasil)
    Pós-graduando no Curso de Especialização Ordem Jurídica e Ministério Público da Fundação Escola Superior do Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios – FESMPDFT (Brasília-DF, Brasil). Bacharel em Direito pelo Centro Universitário de Brasília (CEUB). Advogado. E-mail: mc.cesarfilho@gmail.com    

Referências

ABUSLEME MARDONES, César. Las compras públicas de tecnologia e innovación como um elemento central de las políticas públicas del siglo XXI. Revista Chilena de Derecho y Tecnologia, Santiago, v. 5, n. 2, p. 95-126, jan./dez. 2016.

ACOCELLA, Jessica. A função regulatória da licitação, o GPA e mudanças de rumo à vista. JOTA [revista eletrônica]. Disponível em: <https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/a-funcao-regulatoria-da-licitacao-o-gpa-e-mudancas-de-rumo-a-vista-05022020>. Acesso em: 29 abr. 2020.

ACOCELA, Jéssica; RANGEL, Juliana Cabral Coelho. O papel regulatório e de fomento das licitações públicas. Revista do BNDES. [s.l.], v. 40, p. 269-312, dez. 2013.

ARAUJO, Fabiano de Figueirêdo. As margens de preferência em licitações públicas: o uso da contratação governamental como instrumento de regulação e as falhas regulatórias. Brasília, 2016. 141 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Mestrado em Direito, Centro Universitário de Brasília.

ARROWSMITH, Sue. Horizontal policies in public procurement: a taxonomy. Journal of public procurement. Nottingham, v. 10, issue 2, p. 149-186, 2010.

BRASIL. Agenda ambiental na administração pública (A3P). Disponível em: <https://www.mma.gov.br/mma-em-numeros/a3p>. Acesso em: 17 jun. 2020.

BRASIL. Portal de compras do governo federal. Disponível em: <https://www.comprasgovernamentais.gov.br/index.php/cartao-de-pagamento/103-legislacao/legislacao-tema/legislacaotema-accordion/549-margem-de-preferencia>. Acesso em: 19 jun. 2020.

BRASIL.Projeto de lei nº 1292/1995. Disponível em: < https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=16526>. Acesso em: 21 jun. 2020.

BRASIL. Serviço federal de processamento de dados. Disponível em: <https://www.serpro.gov.br/menu/noticias/noticias-antigas/planejamento-lanca-portal-de-contratacoes-sustentaveis>. Acesso em: 17 jun. 2020.

CARVALHO, Victor Aguiar de. A função regulatória da licitação como instrumento de promoção da concorrência e de outras finalidades públicas. Fórum de Contratações e Gestão Pública – FCGP, Belo Horizonte, ano 16, n. 186, p. 65-74, jun. 2017

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrativo. 32.ed. São Paulo: Atlas, 2018.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 31.ed. Rio de Janeiro: Forense, 2018.

DURÁN MARTÍNEZ, Augusto. El contrato administrativo em Uruguay. Estudios Juridicos: publicación de la Facultad de Derecho de la Universidad Católica del Uruguay. Montevideo, v. 12, p. 117-191, jan./dez. 2014.

FERRAZ, Luciano. A função regulatória da licitação. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 9, n. 37, p. 133-142, jul./set. 2009, p. 141

GARCIA, Emerson; ALVES, Rogério P. Improbidade administrativa. 9.ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

GARCIA, Flávio Amaral; RIBEIRO, Leonardo Coelho. Licitações públicas sustentáveis. Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro, v. 260, p. 231-254, maio/ago. 2012, p. 237

Separadas por espaço simples, alinhadas à margem esquerda (sem recuo)

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de direito administrativo. 12.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

MCCRUDDEN, Christopher. Using public procurement to achieve social outcomes. Natural Resources Forum,Oxford, n. 28, p. 257-267, 2004. Disponível em: <https://www.equallyours.org.uk/wp-content/uploads/2006/03/ChrisMcCruddenPaper.pdf>. Acesso em: 24 jul. 2020

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. 32.ed. São Paulo: Malheiros, 2015.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. O conceito jurídico do princípio da igualdade. 3.ed. São Paulo: Malheiros, 2012.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. O novo papel do estado na economia. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 241, p. 1-19, jul./set. 2005. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/43325/44666>. Acesso em: 24 jul. 2020.

PIMENTA, Carlos; REZAI, Natalia. Compras y contrataciones públicas en América Latina. In: PIMENTA, Carlos; PESSOA, Mario (Coord.). Gestión financeira pública en América Latina: la clave de la eficiencia y la transparencia. Nueva York: Banco Interamericano de Desarrollo, p. 347-394, jan./dez. 2015.

SUNSTEIN, Cass R. After the rights revolution: reconceiving the regulatory state. Cambridge. Harvard University Press, 1993.

UNIÃO EUROPEIA. Directive 2014/24/EU of the European Parliament and of the Council of 26 February 2014 on public procurement and repealing Directive 2004/18/EC. Disponível em: <https://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/TXT/PDF/?uri=CELEX:32014L0024&from=EN>. Acesso em: 13 jun. 2020.

Publicado

2023-04-03

Edição

Seção

Artigos